Se tem um setor que não parou de crescer nos últimos anos é o de biológicos. Isso porque cada vez mais os produtores, desde os mais jovens até os mais tradicionais, estão buscando o uso de soluções naturais como alternativa para uma agricultura cada vez mais eficiente e sustentável. Embora, desde os anos 80, instituições de grande renome, como a Embrapa, já faziam estudos sobre tecnologias naturais para o controle de pragas, foi nos últimos anos que o segmento decolou de vez e não deve parar por aí.

Segundo pesquisa recém divulgada pela Kynetec, especialista em pesquisa de mercado global em saúde animal e agricultura, que processa mais de 1 bilhão de dados anualmente, até 2025 o setor de insumos biológicos deve ultrapassar 8 bilhões de dólares. Ainda de acordo com a pesquisa, esse crescimento se atribui a uma junção de diversos fatores. Entre eles, uma demanda crescente no manejo integrado de pragas e doenças (MIP). Além disso, as pressões regulatórias sobre os produtos químicos sintéticos é outro ponto determinante.

Carlos Alberto Baptista, diretor nacional de vendas da Biotrop, é um pouco mais conservador quanto às projeções de crescimento, no entanto, acredita que o mercado deve continuar avançando acima dos 50% ao ano. “Hoje vemos produtores tradicionais já utilizando os biológicos e isso mostra que eles já entendem os seus benefícios e o real valor de aplicá-los não só para o ganho no momento, mas para o ganho futuro. Quando se fala em biologia do solo, agricultura sustentável e produtos mais limpos, são demandas atuais da sociedade e que vão se intensificar com o passar dos anos” diz.

Ainda conforme o especialista, é importante destacar que o papel do biológico não é substituir o químico. Ele até pode fazê-lo pontualmente em algumas pragas e segmentos, como no controle de nematoides, mas na maioria dos casos, o recomendado é uma sinergia entre ambos.

Os biológicos e naturais são excelentes ferramentas para a redução dos produtos químicos utilizados nas lavouras e até mesmo propiciam a esses químicos um maior período de permanência no mercado, ou seja, um tempo maior de efetividade no controle das pragas/doenças. “Ao utilizar o mesmo produto por muito tempo e após várias aplicações temos a perda da sua efetividade, aumentando a possibilidade do aparecimento das resistências. Em resumo: Quando se aplicam os químicos consorciados com os biológicos, aumenta-se a efetividade desses químicos por mais anos”, destaca Baptista.

INVESTIMENTO EM INOVAÇÃO

Para se destacar neste mercado cada vez mais concorrido, a Biotrop está se preparando e investindo. A ideia é focar em novos produtos que efetivamente tragam uma boa relação de custo-benefício ao produtor. Assim, recentemente a empresa adquiriu um terreno, onde está construindo a primeira e exclusiva estação de pesquisa de biológicos do Brasil. “Temos ainda, em Curitiba, uma equipe de microbiologistas que trabalham focados em transformar descobertas em produtos eficientes para agricultura, isso é inovação. Também estamos ampliando a estrutura de atendimento. Saímos de 2017 com cerca de 70 profissionais atuando, para cerca de 110 pessoas ano passado e provavelmente nossa meta é terminar 2021 com algo em torno de 130 profissionais focadas na prestação de serviço e na geração de valor aos clientes”, ressalta o Baptista.

De acordo com Marcos Avanzi, diretor de assuntos regulatórios da Biotrop, a empresa tem como lema buscar sempre a inovação, mas isso no sentido mais amplo, não apenas na produção industrial, mas no desenvolvimento de novos produtos, novas composições e formulações. “Estamos sempre em busca de novos organismos que possam ter uso agrícola. Por isso, mantemos contato direto e parcerias importantes, como a Embrapa e outras instituições. Além disso, o nosso departamento de pesquisa e tecnologia prospecta oportunidades o tempo todo, seja no Brasil ou no exterior”, diz o especialista.

PRESSÃO POR MUDANÇAS

Nos últimos tempos, diversos países do mundo têm aumentado a cobrança sobre o uso de defensivos químicos, e buscam uma agricultura cada vez mais sustentável. Os produtos biológicos ganham força para cumprir essa função. “A pressão da sociedade está cada vez maior, e logicamente o agricultor utilizando os produtos biológicos tem a possibilidade de exportar para países, que são mais rigorosos. O mercado consumidor é quem pressiona as mudanças”, destaca Avanzi.

Mercados consumidores asiáticos, por exemplo, principais importadores dos produtos agrícolas brasileiros, e europeus, estão exigindo melhor qualidade e menos uso de químicos. O biológico se encaixa perfeitamente nesse cenário, por carregar a bandeira do ambientalmente correto.

Toda essa cobrança por mudança externa tem dado resultados e ajudado no aspecto regulatório. Isso faz com que também os órgãos governamentais brasileiros se modernizem e agilizem o processo de registro de biológicos. “É importante destacar que o processo de registro não é facilitado, ele é agilizado. Comparado dentro do produto químico, nós estamos em um momento muito ágil, apesar de uma escassez de pessoal técnico dentro dos ministérios para analisar. Mas, enquanto o produto químico demora até 10 anos para ser aprovado, os biológicos temos conseguido registrar em um ano. Isso também graças a nossa eficiência em pesquisas e testes”, finaliza o especialista.

SOBRE A BIOTROP

A Biotrop é uma empresa inovadora, fruto da visão e da parceria entre o AQUA CAPITAL e um grupo seleto de profissionais apaixonados pelo agronegócio. Com escritório em Vinhedo (SP) e fábrica em Curitiba (PR), a empresa leva ao mercado o que há de melhor no mundo em soluções biológicas e naturais.

ACESSE WWW.BIOTROP.COM.BR.
Fonte: Assessoria de imprensa Biotrop